SOMENTE UM POUCO DO TODO. A METADE DA PARTE.

Tudo o que somos nasce com nossos pensamentos. Em nossos pensamentos, fazemos o nosso mundo. (Buda)

terça-feira, 24 de agosto de 2010

O JALGAMENTO

Quem se acha correto o bastante para julgar alguém, um ato, um fato um acontecimento?
O verdadeiro justo, jamais julga, jamais faz pré-julgamento ele somente observa e fica para si com seus pensamnetos, pois pensar todos podem, falar já é uma opção, que pode levar as pessoas ao céu e ao inferno.


Flávia Leite

domingo, 8 de agosto de 2010

IGUALDADE RACIAL

Constituição da República Federativa do Brasil (CRFB) – 1988

Artigo 5o – Caput “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza,

garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país a inviolabilidade

do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade (...)”.

XLI – “a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades

fundamentais”.

XLII – “a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito

à pena de reclusão, nos termos da lei”.

XLIII – “A Lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia

a prática de tortura (...)”.

Artigo 7o, inciso XXX “Proibição de diferença de salários, de exercício de funções

e critério de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou estado civil”.

Art. 215, § 1o “O Estado protegerá as manifestações das culturas populares, indígenas

e afrobrasileiras, e das de outros grupos participantes do processo civilizatório

nacional.”

Art. 216, V, § 5o “Ficam tombados todos os documentos e os sítios detentores

de reminiscências históricas dos antigos Quilombos.”

Anos 1950

Lei no 1.390, de 3 de julho de 1951 – “Inclui entre as contravenções penais a prática

de atos resultantes de preconceitos de raça ou de cor”. Conhecida como Lei Afonso

Arinos.

Anos 1960

Decreto Legislativo no 23, de 21 de junho de 1967 – “Aprova a Convenção Internacional

sobre a eliminação de todas as formas de Discriminação Racial, adotada

pela Resolução no 2.106 (XX), da Assembléia Geral das Nações Unidas, de 21 de

dezembro de 1965.”

Decreto no 62.150, de 19 de janeiro de 1968 – Presidência da República “Promulga

a Convenção nº 111 da OIT sobre discriminação em matéria de emprego e

profissão”.

Decreto no 63.223, de 6 de setembro de 1968 – Presidência da República

“Promulga a Convenção relativa à luta contra a discriminação no campo de ensino”.
Decreto no 65.810, de 8 de dezembro de 1969 – Presidência da República


“Promulga a Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de

Discriminação Racial”.

Anos 1980

Decreto, de 9 de agosto de 1985 – Presidência da República “Estabelece restrições ao

relacionamento com a República da África do Sul.”

Lei no 7.437, de 20 de dezembro de 1985 – “Inclui, entre as contravenções penais,

a prática de atos resultantes de preconceito de raça, de cor, de sexo ou de estado

civil, dando nova redação à Lei no 1.390 , de 3 de julho de 1951 – Lei Afonso Arinos.”

Lei no 7.668, de 22 de agosto de 1988 – Presidência da República “Autoriza

o Poder Executivo a constituir a Fundação Cultural Palmares (FCP) e dá outras

providências”.

Lei no 7.716, de 5 de janeiro de 1989 – Presidência da República “Define os

crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor”.

Anos 1990

Lei no 8.081, de 21 de setembro de 1990 – “Estabelece os crimes e as penas aplicáveis

aos atos discriminatórios ou de preconceitos de raça, cor, religião, etnia ou procedência

nacional, praticados pelos meios de comunicação ou por publicação de

qualquer natureza”.

Decreto no 428, de 17 de janeiro de 1992 – Presidência da República “Modifica

o Decreto no 91.524, de 9 de agosto de 1985, que impôs restrições ao relacionamento

com a África do Sul.”

Lei no 8.882, de 3 de junho de 1994 – “Acrescenta parágrafo ao artigo 20 da Lei

no 7.716, de 5 de janeiro de 1989, que define os crimes resultantes de preconceitos de

raça ou de cor”.

Lei no 9.029, de 13 de maio de 1995 – Presidência da República “Proíbe práticas

discriminatórias, para efeitos admissionais ou de permanência da relação jurídica, por

motivo de sexo, origem, raça, cor, estado civil, situação familiar ou idade, e dá outras

providências”.

Decreto, de 20 de novembro de 1995 – Presidência da República “Institui o

Grupo de Trabalho Interministerial, com a finalidade de desenvolver políticas para a

valorização da população negra e dá outras providências”.

Decreto, de 20 de março de 1996 – Presidência da República “Cria, no âmbito do

Ministério do Trabalho, o Grupo de Trabalho para a Eliminação da Discriminação no

Emprego e na Ocupação (GTEDEO) e dá outras providências”.

Decreto, no 1.904, de 13 de maio de 1996 – Presidência da República “Institui o

Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH)”.

Decreto, de 13 de junho de 1996 – Presidência da República “Inclui inciso IV

ao artigo 3o do Decreto de 20 de novembro de 1995, que institui o grupo de trabalho

interministerial com a finalidade de desenvolver políticas de valorização da população

negra”.
 
VEJA A HISTÓRIA, AVALIE OS ACONTECIMENTOS, SEJA JUSTO JAMAIS PRECONCEITUOSO.
 
Para essa realidade mudar é necessário que as pessoas entendam que são todos iguais, se ficar dificil de se achar igual perante as Leis e as ações descriminatórias, entenda que pelo menos aos olhos de Deus somos todos iguais e isso é o bastante.
 
Flávia Leite

quarta-feira, 7 de julho de 2010

ESTÁ CHEGANDO A HORA

É uma época complicada, onde temos que ficar atentos a detalhes que podem mudar toda nossa vida.

A vida é um eterno jogo político, onde temos que saber como nos portar, com quem contar aonde ir e como chegar. Na política as pessoas tendem a mostra que jogam de vários lados, porém jogam só de seu lado, as causas sociais, essas, a política praticamente ignora, não existe de fato, atendimento de causas sociais.
Está chegando a hora, nossa atenção é fundamental, não vamos deixar que pessoas sem caráter tomem o poder sobre nossas vidas, nossa liberdade e nossa independência.
Atualmente a “cara de pau” está maior, eles já não temem criticas, pelo contrário, eles riem de suas mazelas, brincam com o povo como se fossemos fantoches a mercê de seus caprichos. Criam e aprovam emendas absurdas a seu mero prazer para seu deleite econômico e se favorecem com leis que os eximem de culpa através de uma interpretação mal feita e injusta. Portanto, cuidado com seu voto, pense, investiguem a vida, revire o balde de lixo de cada candidato, ainda assim, não teremos certeza, mas pelo menos não estaremos na total escuridão.

VOTE COM CONSCIÊNCIA!!!!

Flávia Leite















quarta-feira, 2 de junho de 2010

INDIOS


Quem me dera

Ao menos uma vez

Ter de volta todo o ouro

Que entreguei a quem

Conseguiu me convencer

Que era prova de amizade

Se alguém levasse embora

Até o que eu não tinha

Quem me dera

Ao menos uma vez

Esquecer que acreditei

Que era por brincadeira

Que se cortava sempre

Um pano-de-chão

De linho nobre e pura seda

Quem me dera

Ao menos uma vez

Explicar o que ninguém

Consegue entender

Que o que aconteceu

Ainda está por vir

E o futuro não é mais

Como era antigamente.

Quem me dera

Ao menos uma vez

Provar que quem tem mais

Do que precisa ter

Quase sempre se convence

Que não tem o bastante

Fala demais

Por não ter nada a dizer.

Quem me dera

Ao menos uma vez

Que o mais simples fosse visto

Como o mais importante

Mas nos deram espelhos

E vimos um mundo doente.

Quem me dera

Ao menos uma vez

Entender como um só Deus

Ao mesmo tempo é três

Esse mesmo Deus

Foi morto por vocês

Sua maldade, então

Deixaram Deus tão triste.

Eu quis o perigo

E até sangrei sozinho

Entenda!

Assim pude trazer

Você de volta pra mim

Quando descobri

Que é sempre só você

Que me entende

Do iní¬cio ao fim.

E é só você que tem

A cura do meu vício

De insistir nessa saudade

Que eu sinto

De tudo que eu ainda não vi.

Quem me dera

Ao menos uma vez

Acreditar por um instante

Em tudo que existe

E acreditar

Que o mundo é perfeito

Que todas as pessoas

São felizes...

Quem me dera

Ao menos uma vez

Fazer com que o mundo

Saiba que seu nome

Está em tudo e mesmo assim

Ninguém lhe diz

Ao menos, obrigado.

Quem me dera

Ao menos uma vez

Como a mais bela tribo

Dos mais belos índios

Não ser atacado

Por ser inocente.

Eu quis o perigo

E até sangrei sozinho

Entenda!

Assim pude trazer

Você de volta pra mim

Quando descobri

Que é sempre só você

Que me entende

Do início ao fim.

E é só você que tem

A cura pro meu vício

De insistir nessa saudade

Que eu sinto

De tudo que eu ainda não vi.

Nos deram espelhos

E vimos um mundo doente

Tentei chorar e não consegui.


(MÚSICA: LEGIÃO URBANA)

segunda-feira, 19 de abril de 2010

EXTRA EXTRA NOVA ELEIÇÃO NA TERRA DO DINHEIRO NA MEIA

Extra, bom esse tipo de noticia não é mais novidade. Aconteceu finalmente uma nova eleição em Brasilia, para Governador ou melhor para "mandatário" "novo golpe", já que a eleição foi feita de forma indireta, sem a participação do povo, mas vejam só quem apareceu para votar...
Pasmem um dos envolvidos no escandalo do panetone e do dinheiro na meia, apareceu e votou em seu "candidato". VERGONHA.
Será mesmo necessário esfregar na cara do povo que já teve que engolir tantos desaforos politicos, que o país que tanto amamos não é dirigido por politicos sérios, que nós elegemos com o poder que nos foi dado de forma justa e legal?

Extra...
O povo deve mesmo merecer isso, devemos mesmo merecer esse deboche politico, já que somos nós, com nosso voto que os colocamos lá.
A bronca é bem maior que se acha, pois não é de Brasilia que saem as Leis temos que seguir, opa não só nós, eles também, nossa. Temos que aprender a usar as leis como eles usam, ou vamos ficar na M. (desculpem). Mas creio eu, que nós "POVO" somos melhores que eles e não merecemos tanto lixo jogado em nossa cara.

Flávia Leite

sexta-feira, 16 de abril de 2010

O RIO SEMPRE VAI SER MARAVILHOSO

O GOVERNO PODE TER ABANDONADO O RIO, MAS DEUS JAMAIS O DEIXARÁ.





Assistir estarrecida a tragédia no Rio de janeiro, meu estarrecimento não foi só por causa da tragédia que por si só já foi muito triste para nós brasileiros que amamos essa cidade, muitos como eu, até sem nunca ter pisado nela, mas por pura admiração, por sua beleza e por seu povo alegre e descontraído, mas pela falta de ação do poder público do Governo Federal, que tanto me deu orgulho no imediato socorro ao Haite e ao Chile, porém aqui, nossos irmãos estão isolados, largados. Não dá para entender como o Governo do Estado nega ajuda de outros Estados, e o Governo Federal fica estático esperando um pedido de ajuda. HIPOCRISIA. Quantos gritos de socorro serão necessários para serem ouvidos, quantos corpos e famílias vocês querem ver destruídas? Quantos?
Me desculpem ao amigos, se estou sendo muito enérgica em minhas palavras, mas esse acontecimento me feriu profundamente, já que sou uma brasileira completamente apaixonada por meu país.
As pessoas no mundo todo merecem respeito, dignidade e políticos sérios que façam no mínimo seu trabalho básico, só o básico, já que não têm capacidade moral para dar o mais digno aos que os elegem.
Estou cheia, vem mais uma eleição e espero que as pessoas não esqueçam de nada disso e votem com responsabilidade.
Não me entendam errado, jamais negarei a culpa do povo, que também tem sua parcela de culpa em alguns momentos quando jogar lixo nas ruas, quando não respeitam o meio ambiente nem seu próximo, temos que cair na real e entender que todos nós somos responsáveis. Não só quando jogamos lixo na rua, mas quando fazemos a urna de lixo. Lugar de lixo é no lixo, vamos jogar esses políticos negligentes e irresponsáveis no seu devido lugar.


Flávia Leite


segunda-feira, 12 de abril de 2010

O VÔO DA FELICIDADE


Deixe-me voar, deixem-se andar, deixem-se correr, deixem-me cantar, deixem-me ser sincera, deixem-me ser fantasiosa, deixem-me viver.
Muitos passam por minha vida, porém alguns deixam bons resultados, outros ilusões e sonhos, existem ainda, os que deixam só angustia. A vida é para mim muito mais que isso, amo as pessoas e vivo por elas, hoje já sei me encontrar em qualquer situação, já sei encontrar minha paz, meu amor e meus sonhos, já também destacar o que me faz infeliz. Pergunto sempre se a felicidade é somente um estado de espiro, tento descobrir o que as pessoas acham, porque para mim é mais que isso, para mim é a minha realidade é ela que busco todos os dias de minha vida.
Se vivermos buscando essa felicidade, já seremos feliz só pela tentiva que é recompesadora.
Sempre que alguém tenta cortar minhas asas, minhas pernas calar meu canto, desmentir minha siceridade, conter minhas fantasias estão tentando tirar minha vida de felicidade, e isso eu nunca deixarei. Amo as pessas e jamais passo mais que 3 dias com raiva de alguém por pior que seja o atentado. Assim consigo ser plenamente Feliz.

Flávia Leite